Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Voltar
Início do conteúdo da página

13/07/2015

MAIS MÉDICOS: Programa vai ofertar 2.290 novas vagas de medicina no país

O Programa Mais Médicos vai oferecer 2.290 novas vagas de graduação em medicina em 36 municípios brasileiros que ainda não tinham o curso. O anúncio foi feito, nesta sexta-feira, pelos ministros da Saúde, Arthur Chioro, e o da Educação, Renato Janine Ribeiro.

A ação faz parte da estratégia do Governo Federal de reestruturação do atendimento médico no país, o que inclui também medidas de infraestrutura e formação médica. Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, a ampliação de novos cursos de medicina vai proporcionar ao Brasil um equilíbrio na oferta de profissionais médicos. “Hoje se consolida o fato de que o Mais Médicos não se trata apenas do provimento emergencial de médicos. Há um investimento em reforma, ampliação, construção, mas efetivamente, a proposta estruturante é que vai permitir que no futuro, a partir de 2025, nós possamos ter equilíbrio e a quantidade de médicos necessárias para atender no Brasil, é esse esforço de expandir as vagas públicas e vagas privadas em cidades e regiões que não contam com faculdade de medicina.”

De acordo com o ministro da Educação, Renato Janine, os efeitos da criação de novas vagas será sentido pela população no futuro. “Daqui a onze anos nós queremos ter uma relação 2,7 médicos por mil habitantes. Em 2017, nós teremos 1,34 vagas de cursos de medicina a cada 10 mil habitantes, o que vai permitir então a conquista de números maiores. Isso significa também neste prazo que começou desde a sanção dois anos atrás da lei, a criação de cerca de 11.500 novas vagas de graduação até 2017 e até 2018 teremos criado 12. 372 vagas”.


Na seleção dos municípios, o Ministério da Educação levou em conta a necessidade social do curso, a estrutura da rede de saúde para realização das atividades práticas e a capacidade para abertura de programa de residência médica. As instituições de ensino superior selecionadas têm até 18 meses para implantarem o curso nas cidades.

Ouça a matéria na WebRádio Saúde

Fonte: Alexandre Penido/ WebRádio Saúde

 

voltar
Fim do conteúdo da página